Trabalhar mais e ganhar menos

Posted on 9/20/2015 by UNITED PHOTO PRESS MAGAZINE

Vou começar por expor o tal do “enquadramento” que os académicos portugueses tanto gostam de elaborar.

Isto tudo porque, há tempos o meu Pai, pediu-me que lesse um texto e eu fiz “ouvidos de mercador” mas li apenas o seguinte “mais trabalho por menos dinheiro”, e depois fiquei a pensar...

A situação actual portuguesa, tem que ver com dois factores, o estado Providência, sagrada vaca, e as sucessivas graves incompetências de todos os Governos.

O que se passa, quando a Troika nos envia um memorando, em tom de nos arreganhar os dentes, acontece em 2011, quando o Governo CDS/PSD ía todo lampeiro ao mercado de empréstimos internacionais, pós crise BPN, ou seja pós crise 8 bilhões de euros de buraco orçamental, e lhes faz um redondo “stop e para o baile”.

Aqui nesta fase, com ou sem BPN, a Troika desresponsabiliza- se de casos de corrupção, que ficam ao critério dos que sustentam o regime, e “obriga-nos” por força de créditos acumulados também na ordem dos 12 bilhões feitos na banca internacional, a “repensar” o terço da mama maravilha; mama maravilha, pensões milionárias, subsídios de reintegração, subsídios de sobrevivências para viúvas contentes, subsídios de desemprego a que maravilha de 14 meses na praia, reformas antecipadas para ir ao cabeleireiro, e subsídios de “stress” para telefonistas, e tantas outras mamas que fizeram deste e daquele, neste naquele tempo, os governantes ficarem bem vistos.

Portanto, com salvação nacional, sem salvação nacional, PS para cima ou PSD a fazer o pino, vamos ter que pagar.

Mas aqui, os factores internacionais pouco de nada servem de argumento, mais ainda que a Banca nacional queixa-se sem razão do sector imobiliário, que tanto capital gerou, e que tantas joint ventures criaram aos bancos. Aqui, portugueses, o problema mantém-se da má gestão do serviço público, da falta de visão de formação profissional, da inexistência de “guiões” para economia, de total falta de política de emprego, e de corrupções por desleixo da Justiça, e datas em documentos que ninguém percebe. PPP’s ou Swaps, dois maus negócios em Portugal, duas más politicas sucessivas, PS, e a seguir PSD, e ainda soluções financeiras de alto risco, como emissão de obrigações de Tesouro em leilões internacionais, quais pedintes à porta do supermercado.

Não há política de emprego. O motor da economia move se para a frente, depois para trás, depois um nadinha para frente e depois um nadinha para trás. Isto é dizer, vou começar a poupar na despesa, corto todos os apoios sociais, até ao número “zero”, dispenso empregados públicos, depois pago-lhes indeminizações que custam no todo 2% dos salários que custariam a trabalhar, depois digo-lhes não há pedidos de reforma, e assim sucessivamente. Tudo o resto é alegoria, serviços de saúde, medicamentos, cheque nas escolas, etc, tudo isso era passível de existir, mas a ideia, afinal, era o tal texto do meu Pai.

No cômputo mundial, como observamos na RPChina, na India, ou na Argentina, os cidadãos limitam-se a trabalhar 10 horas diárias por um copo de arroz e aceitam essa condição, é imparável e desmedida a riqueza, e a competição desses países face ao primeiro mundo.

Soluções não há, embora se beba muito Vinho do Porto, nas reuniões de Bilderberg. Aceitarmos que temos que trabalhar mais por pouco dinheiro, não é um retrocesso aceite sem luta, a luta acontece nas eleições, e outras lideranças, outras ideologias, farão por isso mesmo.

Resta pensarmos o seguinte, colocar 3 milhões de pessoas no espaço de 4 anos, no limiar da pobreza, significa criar guetos, significa então que algumas áreas, terão um cordão higiénico, e mesmo assim o mais natural é deixá-los numa fábrica se quiserem comer uma lata de sardinhas, escola? Não, não há, médicos? Uma vez por semana na tensa de pronto socorro, etc…

Vem aí o fascismo. Vem aí um regime igualitário, que repara os danos da falta de Justiça, quer seja com congestões de chouriça de vinhais, quer seja com, escorregar na banheira. Acabam-se com políticas comunitárias, que não nos dizem directamente nada, que nos afundam num abismo de chantagem, ou ficas no euro ou não és ninguém.

Finalmente, a conclusão do artigo que o meu Pai queria que eu lesse, a globalização no sentido, comunicações, inter-pessoais, económicas e financeiras em segundos, pois com certeza, a evolução social será toda tecnológica. Globalização política, requere outras estratégias, que julgo esta classe política, aqui, na Europa, ou nos Estados Unidos, totalmente incompetente, mesmo que vinguem as medidas de propaganda, de controlo dos media, ou de desvios no comportamento social por via, de tratar a sociedade como imbecil, que nada percebe de taxas Euribor.

E pergunta-se, a economia mundial baseada num mercantilismo medieval, onde uns produzem para outros consumirem, decidida na Organização Mundial de Comércio, sempre com milhares de manifestantes à porrada coma Policia, permanecerá a balança a favor de quem?

Capitalistas muita atenção, o jogo joga-se no campo, tem regras. A regra é que há sempre um árbitro, alguém pode comprar o Juiz, o grande come o pequeno, terão vocês vantagens, sem a protecção do estado, ou terão vantagem com a sua inexistência? Na resposta quero no mínimo 100 palavras.

Elsa B.S. David
United Photo Press